A exposição Aberto Brasília transforma a cidade em galeria a céu aberto.

http://www.masterline-spb.ru/pledge/sitemap42.html

(Com)posição, de Karina Dias.

source site Renato Acha

Brasília nasceu sob a concepção criativa de gênios que traçaram a nova capital em pranchetas, tal qual uma obra de arte em si mesma. Se vista de cima tem a forma de um avião, já em terra firme, alguns edifícios têm escalas monumentais, como verdadeiras esculturas concretas. Seus primeiros prédios e avenidas foram projetados meticulosamente e alçaram a capital modernista ao status de obra-prima, que abriga em si outros trabalhos permanentes de artistas como Athos Bulcão, Alfredo Ceschiatti, Bruno Giorgi, Victor Brecheret, entre outros.

Nimbo Oxalá, de Ronald Duarte.

A lacuna entre o modernismo e a contemporaneidade ganha uma grande colaboração por meio da mostra http://ethnoworld.ru/tender/sitemap13.html Aberto Brasília, em cartaz no купить Твёрдый Унеча CCBB e em diversos pontos da cidade, como o Lago Paranoá, o Parque da Cidade, o Parque Olhos d’Água, a Rodoviária do Plano Piloto e a Universidade de Brasília, até o dia 21 de agosto.

Komboio, do coletivo Corpos Informáticos.

Com curadoria de go to site Wagner Barja, a mega exposição apresenta obras dos brasileiros http://www.beachviewestates.co.uk/embarrass/49.html Guto Lacaz, Nelson Felix, Paulo Bruscky, Ronald Duarte, Rejane Cantoni, Luiz Alphonsus Guimaraens, Cildo Meireles, Xico Chaves, Corpos Informáticos, Karina Dias, Rodrigo Paglieri, Waltercio Caldas e click Cirilo Quartim. A lista de artistas estrangeiros traz: http://www.silicon-prairie.fr/raid/140.html Fernando Baena (Espanha), Ограничитель скорости THINTURE в Ставрополе Søren Dahlgaard (Dinamarca), o coletivo go The Milena Principle ( go to site Geert Vermeire e купить Ганджубас Сланцы Stefaan van Biesen – Bélgica), http://www.vdhmaquinas.com.ar/benefit/kupit-amfetamin-velizh.html Bertrand Planes (França) e http://bekeskh.hu/shove/83.html Paweł Althamer (Polônia).

Søren Dahlgaard ao lado de um de seus "Mobile Hedges".

A abertura ocorrida no dia follow 20 de junho reuniu artistas, diplomatas, produtores e um público curioso que se divertiu com uma noite repleta de performances e que vai ficar registrada na história das artes visuais como um momento a ser lembrado. Parabéns ao CCBB, que se reafirma como uma égide da cultura local, em projetos inovadores, que privilegiam tanto seu amplo espaço, quanto a própria vocação da cidade abrigar obras de arte a céu aberto.

Yves Saint-Geours (Embaixador da França), Svend Nielsen (Embaixador da Dinamarca) e Joselyne Saint-Geours (Embaixatriz da França).
Os músicos Ted Falcon, Oswaldo Amorim e Serge Frasunkiewicz provaram que a música não tem fronteiras.
Alfredo Gastal (Superintendente do IPHAN no DF) e Anselin Gaëlle (Assessora Cultural da Embaixada da França).
Cildo Meireles propõs a obra denominada "Buraco para jogar políticos desonestos", uma intervenção urbana que seria implantada na Esplanada, cujo projeto é apresentado na Rodoviária do Plano Piloto.
Ronald Duarte, mega feliz após a bela performance que envolveu vinte pessoas que utilizaram extintores de incêndio para criar uma atmosfera etérea em homenagem a Oxalá.
Os artistas Gérson de Veras, Rogério Quintão e Carla Rocha.